Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11612/2116
Authors: Mendes, Giliana Zeferino Leal
metadata.dc.contributor.advisor: Borges, Thelma Pontes
Title: Políticas públicas e à vulnerabilidade social de crianças e adolescentes acolhidos em Araguaína – TO
Keywords: Acolhimento Institucionalde Crianças e Adolescentes; Arte do Fazer; Necropolítica; Políticas Públicas; Vulnerabilidade Social; Institutional Reception of Children and Adolescents; Art of Doing; Necropolitical; Public policy; Social vulnerability
Issue Date: 14-Apr-2020
Publisher: Universidade Federal do Tocantins
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais
Citation: MENDES, Giliana Zeferino Leal. Políticas públicas e à vulnerabilidade social de crianças e adolescentes acolhidos em Araguaína – TO. 2020. 173 f. Dissertação (Mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais, Araguaína, 2020.
metadata.dc.description.resumo: A pesquisa se propôs analisar dados do acolhimento institucional no Município de Araguaína –TO. Atravésde dados que configuraram em Censo Institucional buscou compreender aspectos das Políticas Públicas para infância e adolescência e suas relações com a vulnerabilidade social. O estudo se justifica em razão de permitir uma análise desse público, o qual revela aspectos e discussões que envolvem a caracterização de uma necropolítica que só sedimenta a vulnerabilidade social. Tendo como hipótese que aspolíticas públicas são baseadas em fatores que dizem de uma construção para a mortificação do sujeito, deixando estes ou entregues à própria sorte ou com ações reparativas que pouco produzem efeitos de quebra do ciclo social de pobreza e/ou abandono/negligência, trabalhou-se também com o pressuposto de que as famílias utilizam-se de táticas sociais para driblar vulnerabilidades e alçar acesso à direitos. Metodologicamente empregou-sea estatística descritiva e análise dos documentos institucionais que foram estruturados e digitalizados a partir das fichas físicas de entrada dos acolhidos. Teoricamente utilizou-se de Certeau (2009, 2018), no que se referemas “Arte do Fazer” ou “Táticas”para compreender o jogo de idas e vindas das famílias; de Sen (2000, 2011) e Castel (1997, 1998) para captar a vulnerabilidade e a estrutura social e de MBembe (2018) para abarcar o debate sobre construção de políticas para a morte, conhecida como necropolítica. Os resultados e conclusões expõemque o número de abrigados durante os 12 anos de atendimentos da casa de acolhimento de Araguaína/TO, se mostrou significativo, totalizando aproximadamente 824 institucionalizados. Foi descrito as características das crianças e adolescentes acolhidos e de suas famílias e configurando osmotivos que geraram tal acolhimento. Chegou a conjunturas que demonstram tanto que as políticas para infância e adolescência configuram-se como necropolítica, bem como a inúmeros casos que comprovam a utilização de táticas sociais, como por exemplo, a entrega dos filhos para o abrigo como última forma de acessar serviços de saúde para tratamento de enfermidades ou para acessar lugares preferenciais nas listas de políticas habitacionais dentre outras políticas públicas assistenciais, de saúde, educação e inserção no mercado de trabalho, jogando com o sistema buscando sobreviver, como é evidenciado por Mbembe em sua obra.
Abstract: The research aimed to analyze data on institutional care in the city of Araguaína -TO. Through data that they configured in Institutional Census, it sought to understand aspects of Public Policies for children and adolescents and their relations with social vulnerability. The study is justified because it allows an analysis of this audience, which reveals aspects and discussions that involve the characterization of a necropolitics that only sediments social vulnerability. Having as a hypothesis that public policies are based on factors that say of a construction for the subject's mortification, leaving them either left to their own devices or with reparative actions that have little effect on breaking the social cycle of poverty and / or abandonment / neglect, it was also worked with the assumption that families use social tactics to circumvent vulnerabilities and to gain access to rights. Methodologically, descriptive statistics and analysis of institutional documents were used, which were structured and digitized based on the physical entry forms of the host. Theoretically, Certeau (2009, 2018) was used in what refers to the "Art of Doing" or "Tactics" to understand the game of comings and goings of families; de Sen (2000, 2011) and Castel (1997, 1998) to capture the vulnerability and social structure and of MBembe (2018) to embrace the debate on the construction of policies for death, known as necropolitics. The results and conclusions show that the number of sheltered people during the 12 years of careat the host house in Araguaína/TO, proved to be significant, totaling approximately 824 institutionalized. The characteristics of the children and adolescents welcomed and their families were described and the reasons that generated such welcoming were configured. It has reached situations that demonstrate so much that policies for children and adolescents are configured as necropolitics, as well as countless cases that prove the use of social tactics, such as the delivery of children to the shelter as the last way to access health services. health to treat illnesses or to access preferential places in the housing policy lists among other public health, education, and labor market policies, playing with the system seeking to survive, as evidenced by Mbembe in his work.
URI: http://hdl.handle.net/11612/2116
Appears in Collections:Mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Giliana Zeferino Leal Mendes - Dissertação.pdf5.51 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.