Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11612/1086
Authors: Marques, Paulo Ricardo Teixeira
metadata.dc.contributor.advisor: Almeida, Lia de Azevedo
Title: Avaliação da estrutura e processo dos Centros de Atenção Psicossocial I - da região de saúde Ilha do Bananal, Tocantins
Keywords: Estrutura; Processo; CAPS; Saúde; Structure; Process; Health
Issue Date: 20-Nov-2018
Publisher: Universidade Federal do Tocantins
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas - Gespol
Citation: MARQUES, Paulo Ricardo Teixeira. Avaliação da estrutura e processo dos Centros de Atenção Psicossocial I - da região de saúde Ilha do Bananal, Tocantins. 2018. 96f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas, Palmas, 2018.
metadata.dc.description.resumo: Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) são serviços de saúde, abertos e comunitários que realizam acompanhamento clínico diário às pessoas com transtornos mentais severos e persistentes e auxiliam na reinserção social através de práticas terapêuticas que envolvem, entre outras atividades, o trabalho e o lazer. O papel do CAPS é o de promover o desenvolvimento da autonomia e da cidadania dos usuários, reintegrando-os à vida social e a convivência familiar. O objetivo geral deste estudo foi de avaliar a estrutura e processo dos CAPS I, a partir da visão dos profissionais destes centros. Os objetivos específicos foram: avaliação da estrutura organizacional dos CAPS quanto às dimensões físicas, recursos humanos e materiais; avaliação do processo de trabalho nos CAPS e elaboração de um relatório para os gestores municipais de saúde com propostas de melhorias na estrutura e processo de acordo com as deficiências encontradas. Foram estudados os CAPS da Região de Saúde “Ilha do Bananal”, sendo os CAPS I (nos municípios de Formoso do Araguaia e Gurupi) que atendem pacientes com transtornos mentais diversos. No referencial teórico buscou-se compreender aspectos relacionados ao histórico das políticas públicas em saúde mental; os CAPS no contexto dos serviços de saúde mental; avaliação em saúde e avaliação da qualidade nos CAPS. A metodologia adotada foi de natureza quantitativa e qualitativa. A coleta de dados deu-se por um questionário com 102 perguntas norteadoras. Foi observado na dimensão “processo”, em relação às condições de trabalho, 50% dos participantes relataram que melhorou pouco, 25% relataram que as condições de trabalho pioraram desde que entraram no emprego e os outros 25% relataram que não mudaram nada desde que entraram no emprego. Em relação ao contato individualizado do paciente, 100% responderam que seria necessária uma frequência mais adequada de contato individual, entre os membros da equipe e o paciente, de pelo menos uma vez ao dia. A falta de trabalho em rede obteve os piores resultados, ou seja, os pacientes necessitam de outros serviços que o CAPS não disponibiliza. Falta de apoio da comunidade, falta de apoio da secretaria em relação aos atendimentos do CAPS também foram relatados. Quanto à dimensão da “estrutura” no que refere-e a participação no processo de avaliação, 50% responderam indiferentes, 25% responderam muito satisfeitos, 25% responderam satisfeitos. Em relação às opiniões dadas no serviço, 50% responderam que estão satisfeitos, 25% insatisfeitos e 25% muito insatisfeitos. Já em relação ao clima no ambiente de trabalho, 100% responderam que estão satisfeitos. No que tange a dimensão estrutura, como resultado insatisfatório observou-se a sobrecarga, trabalhos controlados pelos superiores, falta de estímulos, salários insatisfatórios. Sugere-se então aos gestores municipais uma maior participação da gestão nas reuniões para atenção dos cuidados da saúde, física e mental, com capacitação permanente para melhor preparação dos mesmos. Apoio em relação aos atendimentos prestados e valorização dos profissionais dos CAPS I. Neste sentido notamos que a avaliação dos serviços de saúde mental se torna imprescindível para análise da efetivação das práticas psicossociais, dinâmica do serviço, implementação e compromisso com a proposta da reforma psiquiátrica.
Abstract: The Psychosocial Care Centers (CAPS) are open, community health services that provide daily clinical follow-up to people with severe and persistent mental disorders and assist in social reinsertion through therapeutic practices involving, among other activities, work and play. The role of CAPS is to promote the development of users' autonomy and citizenship, reintegrating them into social life and family life. The general objective of this study was to evaluate the structure and process of CAPS I, from the perspective of the professionals of these centers. The specific objectives were: evaluation of the organizational structure of the CAPS regarding physical dimensions, human resources and materials; evaluation of the work process in the CAPS and elaboration of a report for the municipal health managers with proposals of improvements in the structure and process according to the deficiencies found. The CAPS of the "Bananal Island" Health Region were studied, being the CAPS I (in the Formoso do Araguaia and Gurupi cities) that attend patients with diverse mental disorders. In the theoretical framework we sought to understand aspects related to the history of public politic on mental health; the CAPS in the context of mental health services; health and quality assessment in CAPS. The methodology was quantitative and qualitative. The data collection was done through a questionnaire with 102 guiding questions. It was observed in the "process" dimension, in relation to working conditions, 50% of the participants reported that they improved little, 25% reported that working conditions worsened since they entered employment and the other 25% reported that they have not changed since they entered in the job. Regarding the patient's individualized contact, 100% answered that a more adequate frequency of individual contact between the team members and the patient would be required at least once a day. Lack of networking got the worst results, ie, patients require other services that CAPS does not provide. Lack of community support, lack of support from the secretariat in relation to CAPS care was also reported. Regarding the dimension of "structure" in what refers to participation in the evaluation process, 50% responded indifferently, 25% responded very satisfied, 25% responded satisfied. Regarding the opinions given in the service, 50% answered that they are satisfied, 25% dissatisfied and 25% very dissatisfied. In relation to the climate in the workplace, 100% said they are satisfied. Regarding the structure dimension, as an unsatisfactory result, we observed the overload, work controlled by superiors, lack of incentives, unsatisfactory wages. It is suggested that municipal managers increase the participation of management in meetings for health, physical and mental care, with ongoing training to better prepare them. Support regarding care and enhancement of professional CAPS I. In this sense we note that the evaluation of mental health services becomes essential for the analysis of the effectiveness of psychosocial practices, service dynamics, implementation and commitment to the proposal of psychiatric reform.
URI: http://hdl.handle.net/11612/1086
Appears in Collections:Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Paulo Ricardo Teixeira Marques - Dissertação.pdf1.88 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.